sexta-feira, 25 de março de 2011

Caso Queijo Santa Rosa no Pão de Açúcar: o tira-gosto da compra

Na semana passada estive no Pão de Açúcar, onde eventualmente compro queijo e presunto pro dia-a-dia (outras vezes compro na Casa dos Frios) e passei por um experiência desagradável, que hoje encontrou seu desfecho e aqui narro.

Comprei 250 gramas de queijo prato Santa Rosa. O problema é que, quando cheguei em casa, percebi que o valor cobrado foi de R$ 46 o quilo, e que o nome na etiqueta era de queijo Regina Light. Achei um absurdo, pois sei que esse preço é preço de queijo do reino, e aquele queijo (Santa Rosa, prato), por mais que seja bom, não vale esse preço.

Naturalmente, consumi algumas fatias de um dia pro outro, mas voltei lá no dia seguinte com a bandeija para conferência da etiqueta. Pedi pra falar com o gerente, mas em vez disso me atendeu outro rapaz (acho que o gerente não estava, era turno da noite) que, conferindo no sistema, disse ter encontrado o preço de R$ 44 para o quilo daquele queijo. Não se preocupou nem em devolver a diferença, caso realmente fosse esse o preço, mas estupefato e instatisfeito, tive que voltar pra casa com a sensação de que foi lesado.

Pois bem, hoje fui ao mesmo Pão de Açúcar e verifiquei que o mesmo preço que me havia sido vendido por R$ 46 (e que o atendente verificou no sistema R$ 44) estava sendo vendido por R$ 21. Como eu estava bastante desconfortável com o caso, pedi pra falar com o gerente.

Foi-me dito que o gerente, Sr. Carlos, estava de férias, mas eu seria atendido por Genilson Roberto, que o substituia. Narrei o fato e a minha insatisfação novamente, ao qual desta vez obtive outra resposta: me foi oferecido o crédito da diferença, embora a essa altura eu não tivesse mais nenhum comprovante de compra ou do ocorrido.

Depois de fazer uso do crédito, registro aqui que realmente esse tipo de funcionário é que faz toda a diferença. Se você deixa seu cliente sair insatisfeito de seu estabelecimento, esteja certo de que corre o sério risco de perdê-lo para sempre. Nesse caso, o Pão de Açúcar teve uma segunda chance e o aproveitou bem.

E você, está certo de que seu cliente está satisfeito com o seu atendimento? Quando ele reclama de algo você procura apresentar argumentos que justifiquem o fato e assegurar-se de que o problema será resolvido? Se não for, esteja certo: ele descontará seu descontentamento contando o fato para outras sete pessoas. No mínimo.

No meu caso, muito mais do que isso. Mas, justiça seja feita, quando o atendimento encanta, eu também conto!